terça-feira, 18 de março de 2014

O Método Montessori

Postado por Mah Menezes às 14:16
Eu sempre disse que quando tivesse um filho, daria total liberdade para ele se desenvolver,  faria de tudo para que ele fosse uma criança curiosa e desprendida, incluindo tarefas e responsabilidades de acordo com sua capacidade, é claro.

Lendo na internet encontrei informações sobre um método educacional chamado Método Montessori, na hora achei interessante e resolvi pesquisar mais sobre...
Em resumo ela propõe um ambiente de aprendizado mais educativo, enfatiza a importância de se criar um ambiente adequado para o desenvolvimento da criança, capaz de permitir a livre expressão de suas capacidades. Em um ambiente rico e estimulante, a criança torna-se capaz de aprender sozinha por meio de suas próprias experiências, desenvolvendo-se de forma espontânea, criativa e saudável.

Maria acredita que a casa não dever ser para crianças, mas das crianças, ou seja, não organizada para sua chegada, mas estruturada a partir de sua criação. Assim, quando pensamos em uma decoração montessoriana, temos que ter em mente que a proposta é fazer um quarto pensando no bebê e não para uso de adultos. Também é importante ter uma perspectiva que vai além da aparência puramente decorativa. A prioridade é a liberdade que a criança deve ter, ponto fundamental, no desenvolvimento da criatividade.
O objetivo do quarto montessoriano é promover a autonomia dos pequenos, para que a criança cresça com mais independência.

Separei alguns exemplos de ambientes com esta proposta:

Espaço para explorar
Para Maria Montessori, o caminho do intelecto passa pelas mãos, porque é por meio do movimento e do toque que os pequenos exploram e decodificam o mundo ao seu redor. Por isso, o quarto montessoriano preza por mobiliário essencial e espaço para que os bebês explorem tudo ao seu redor. Para que essa exploração possa ser feita de forma segura, é bom abusar de materiais que proporcionem segurança aos pequenos, como tapetes fofinhos. 



Sensação de amplitude



Aconchego

Quarto sem berço

Esqueça o berço em um quarto montessoriano e substitua-o por um colchão apenas, seja diretamente no chão, em cima de um estrado baixinho ou de um tatame de E.V.A. Se o pequeno costuma rolar de noite, basta fazer uma proteção em torno do colchão com travesseiros ou almofadas. Depois que crescem um pouco, as crianças conseguem ultrapassá-la facilmente, nesse momento é possível apostar nas camas baixas.




Acessibilidade - Ao alcance das mãozinhas
Brinquedos, livros e todos os objetos do quarto são de fácil acesso para a criança.
A proposta de decoração montessoriana defende que é preciso tentar fazer com que tudo esteja ao alcance da criança e no seu campo visual, para que ela tenha acesso livre a todos os objetos e desenvolva autonomia. Por isso, abuse de estantes baixas, cadeiras e mesas proporcionais ao seu tamanho e camas baixas, além de quadrinhos na parede e enfeites em geral.


Miniaturas
Tudo bem pequeno e proporcional ao tamanho da criança.



Poucos objetos
Quem se interessa pelo conceito montessoriano deve se perguntar: “meu filho precisa disso?”. Os pais devem ter em mente que o quarto precisa ser organizado e poucos objetos devem ser oferecidos por vez. Uma dica para cumprir a meta é fazer um rodízio de brinquedos que ficam ao alcance da criança. 

Livre escolha
Note como a disposição dos  brinquedos favorece a autonomia da criança.


Espelho
No quarto montessoriano, o espelho serve para que a criança possa se conhecer e entender que é uma pessoa distinta da mãe. Quando ela ainda não engatinha, esse espelho pode ser instalado na horizontal, ao lado da cama. Mais tarde, pode ficar na vertical, em outra parede. Para garantir a segurança dos pequenos, é importante que esse espelho seja de acrílico e fique bem fixado à parede. 



O ponto mais importante do método é, não tanto seu material ou sua prática, mas a possibilidade criada pela utilização dele de se libertar a verdadeira natureza do indivíduo, para que esta possa ser observada, compreendida, e para que a educação se desenvolva com base na evolução da criança, e não o contrário.
Pressupõe a compreensão das coisas a partir delas mesmas, tendo como função a estimular e desenvolver na criança, um impulso interior que se manifesta no trabalho espontâneo do intelecto.


Assim, os seis pilares educacionais de Montessori são:

Autoeducação
Conhecimento como ciência
Educação Cósmica
Ambiente Preparado
Adulto Preparado
Criança Equilibrada

Autoeducação é a capacidade inata da criança para aprender. Por desejar absorver todo o mundo à sua volta e compreendê-lo, a criança o explora, investiga e pesquisa. O método Montessori proporciona o ambiente adequado e os materiais mais interessantes para que a criança possa se desenvolver por seus próprios esforços, no seu ritmo e seguindo seus interesses.

Educação Cósmica é a melhor forma de auxiliar a criança a compreender o mundo. De acordo com este princípio, o educador deve levar o conhecimento à criança de forma organizada – cosmos significa ordem, em oposição a caos -, estimulando sua imaginação e evidenciando que tudo no universo tem sua tarefa e que o ser humano deve ser consciente de seu papel na manutenção e melhora do mundo.

Educação como Ciência é a maneira de compreender a criança e o fenômeno educativo de acordo com Montessori, e defendida pela ciência de hoje. Em Montessori, o professor utiliza o método científico de observações, hipóteses e teorias para entender a melhor forma de ensinar cada criança e para verificar a eficácia de seu trabalho no dia a dia.

Ambiente Preparado é o local onde a criança desenvolve sua autonomia e compreende sua liberdade em escolas e lares montessorianos. O ambiente preparado é construído para a criança, atendendo às suas necessidades biológicas e psicológicas. Em ambientes preparados encontram-se mobília de tamanho adequado e materiais de desenvolvimento para a livre utilização da criança.

Adulto Preparado é o nome que damos, em Montessori, para o profissional que auxilia a criança em seu desenvolvimento completo. Esse adulto deve conhecer cientificamente as fases do desenvolvimento infantil e, por meio da observação e do domínio de ferramentas educativas de eficiência comprovada, guiar a criança em seu desabrochar, de forma que este se dê nas melhores condições possíveis.

Criança Equilibrada é qualquer criança em seu desenvolvimento natural. Por meio da. utilização correta do ambiente e da ajuda do adulto preparado, as crianças expressam características que lhes são inatas. Entre outras, encontram-se o amor pelo silêncio, pelo trabalho e pela ordem. Todas as crianças nascem com estas características e as desenvolvem melhor entre zero e seis anos.
  1. Baseia-se em anos de observação da natureza da criança por parte do maior gênio da educação desde Friedrich Froebel.
  2. Demonstrou ter uma aplicabilidade universal.
  3. Revelou que a criança pequena pode ser um amante do trabalho, do trabalho intelectual, escolhido de forma espontânea, e assim, realizado com muita alegria.
  4. Baseia-se em uma necessidade vital para a criança que é a de aprender fazendo. Em cada etapa do crescimento mental da criança são proporcionadas atividades correspondentes com as quais se desenvolvem suas faculdades.
  5. Ainda que ofereça à criança uma grande espontaneidade consegue capacitá-la para alcançar os mesmos níveis, ou até mesmo níveis superiores de sucesso escolar, que os alcançados sobre os sistemas antigos.
  6. Posições para a melhor procriação na fase infanto-juvenil
  7. Consegue uma excelente disciplina apesar de prescindir de coerções tais como recompensas e castigos. Explica-se tal fato por tratar-se de uma disciplina que tem origem dentro da própria criança e não imposta de fora.
  8. Baseia-se em um grande respeito pela personalidade da criança, concedendo-lhe espaço para crescer em uma independência biológica, permitindo-se à criança uma grande margem de liberdade que se constitui no fundamento de uma disciplina real.
  9. Permite ao professor tratar cada criança individualmente em cada matéria, e assim, fazê-lo de acordo com suas necessidades individuais.
  10. Cada criança trabalha em seu próprio ritmo.
  11. Não necessita desenvolver o espírito de competição e a cada momento procura oferecer às crianças muitas oportunidades para ajuda mútua o que é feito com grande prazer e alegria.
  12. Já que a criança trabalha partindo de sua livre escolha, sem coerções e sem necessidade de competir, não sente as tensões, os sentimentos de inferioridade e outras experiências capazes de deixar marcas no decorrer de sua vida.
  13. O método Montessori se propõe a desenvolver a totalidade da personalidade da criança e não somente suas capacidades intelectuais. Preocupa-se também com as capacidades de iniciativa, de deliberação e de escolhas independentes e os componentes emocionais.

0 comentários:

Postar um comentário